Estamos a arder ...



As pessoas que visitam o meu blog que me desculpem mas vou ter que desabafar.
É certo que não se fala de outra coisa e que os media aproveitam esta altura para fazer subir as audiências com o tema dos fogos.
Mas custa-me que (e mesmo sabendo que este blog não é visto por muita gente ) não fale sobre este assunto.
É certo que as agulhas e as linhas são uma paixão e que este cantinho é mais dedicado a elas, mas para mim a natureza é o meu Deus é a minha fonte de energia.
E uma vez que me sinto neste estado de impotência e de Voyer vegetativo, decidi exorcizar este meu estado de alma aqui no blog e partilhando com quem o lê.
Será possível que este ano seja mais uma remake dos anos anteriores.
Ontem uma noticia no publico dizia que estes últimos 5 meses tinham sido os piores dos últimos 5 anos.
A sensação que tenho tido nos últimos tempos, é de que estou num barco e á deriva em alto mar. Não faço, nem ninguém faz nada para enfrentar este palco de teatro de revista barata com pouca ou nenhuma qualidade em que se tornou o nosso pais.
Paraíso para mafiosos, ladrões, vigaristas e políticos corruptos. Basta andarem na estrada diariamente para poderem analisar bem o tipo de pessoas as suas atitudes e comportamentos e ficar com uma ideia geral do q é o pensamento português.
Ainda no outro dia num restaurante ouvi uma frase de um pai para um filho:
" Olha lá, se podesses vender um parafuso por 10 vendias por 5 ?"
Eu sei e tento sempre ter uma atitude positiva em relação a tudo e tento dar o benefício da dúvida a políticos e outros mentirosos, mas ultimamente está difícil de aceitar toda esta passividade em relação ao que se passa no nosso pais.
O estado caótico em que nos encontramos é brutal e alarmante.
Mas como sempre e como bons portugueses que somos vamos olhar para tudo isto com algum distanciamento muita passividade, o cinto tão apertado que quase nem nos deixa respirar e lá vamos nós á nossa vida.
Mas como detesto finais tristes e infelizes, aqui fica então uma esperança a longo ( espero que não tão longo quanto isso) prazo, isto porque acredito q os tais vigaristas corruptos e mentirosos terão sempre uma nuvenzinha negra em cima e dentro deles, pena é que nunca saberão o que de melhor a vida tem !

Pormenor de uma escultura que fiz á uns anos sobre a vida e o nascimento.

9 comentários:

Linhas&Missangas disse...

A escultura é simplesmente linda!
Adoro a cor!

Anónimo disse...

Tive conhecimento do teu blog pelo teu irmão, por norma vejo todos os dias para ver as novidades, desde já te dou os parabéns as coisas que fazes são muito giras, adorei os chinelos, quero ver se vou a umas destas próximas feiras para comprar um boneco para o meu afinhado.

Comentando o artigo, no nosso país as coisas são mesmo assim, moro numa zona florestal (perto da Tapada de Mafra)e há dois anos atrás aquela zona foi castigada pelos incêndios, foi horrivel, e é triste ver que nada foi feito para mudar isso.

É triste viver num país assim.

Filipa

Anónimo disse...

É bom desabafar, e este também é o sítio certo, quem quiser ler que leia.
Eu também sou uma passiva, mas tenho andando desde há meses com medo dos fogos (já para não falar dos outros assuntos,as sinceramente esses não me afigem tanto) é que a secura é tanta e as estratégias tão poucas.
Eu vou fazendo a minha parte como educadora (acho que é uma parte fundamental), mas já delinhei umas estratégias para o próximo ano lectivo de modo a agir com os meus alunos mais intervenientemente.
Enfim, ía-me prolongar, mas fico por aqui que já me estou a enervar, e não posso nem quero.
Gosto da cor da escultura, mas não a percebo, sinceramente.
Sandra Pereira

MissangaAzul disse...

Também eu sinto cada vez mais este sentimento que assombra os portugueses: o "deixa andar".
É cada vez que ligamos a TV, lá vem mais uma noticia que isto tá mal, que temos que apertar o cinto, que ainda vai piorar...e depois ouvimos que um certo ministro recebe mais num mês do que eu num ano todo de trabalho, porque recebe ordenado e reforma... e estamos a falar de uma pessoa que tem 50 e poucos anos. É injusto, muito injusto, principalmente quando penso por exemplo nos meus avós, que com 70 e muitos anos ainda são obrigados a trabalhar, porque a reforma não chega para nada.
Por isso, de certo modo entendo o "deixa andar", o fingir que não se vê, para não nos afectar... mas por outro lado, se nunca ninguem tomar uma atitude séria, acho que vamos entrar na fase do "salve-se quem puder".
Espero sinseramente que não.
Adorei o desabafo...talvez alguém abra finalmente os olhos ao ler o que escreveste a faça qualquer coisa...
Cátia

Micaela F. disse...

Fazes bem em desabafar mas sabes o português tem aquela mentalidade do "deixa andar" como diz a missangaazul mas também aquela do "leva e geme baixinho" nunca fomos um povo que se revoltasse, sempre tivemoum papel neutro ou de aliado submisso a outro pais mais forte. Acho qu nos esquecemos do que é ser potuguês do que é ter orgulho e tentar mudar a situação como colectivo como um povo unido e não subdividido em facçoes em que cada um decide o que é melhor para si e não para todos. A impressão que me dá é que somos umas baratitas tontas que para aqui andam sem saber para onde ir, que rumo tomar . Este desamparo é que nos torna fracos e deixa espaço para esses corruptos e mentirosos.Mas sabes em relaçao a portugal tenhu ainda o sonho da fenix renascida. Que um dia quando estivermos no fundo e tudo se tornar cinzento e sombrio, virá um lider com tanta luz que nos poderá ajudar uns aos outros a acreditar, a unificar e a criar um novo Portugal com mais força e brilho que nunca.

gil disse...

Carla, é estranho ler o teu texto e ver nele o Brasil... e acho que muitos outros países, parece que há a globalização também nesses temas tão tristes. Quero muito conhecer Portugal, mas como turista talvez não perceba tanto as coisas que te afligem. Pelo menos acredito que cada um, fazendo um mínimo que seja para o bem estar do outro já ajuda, sempre é uma sementinha de esperança. Boas energias para você!
bjinho,
gil

Anónimo disse...

Infelizmente, cada vez mais acho que a nossa geração não tem a força da geração dos nossos pais, pq talvez se houvesse uma união franca como a do 25 de abril talvez conseguiriamos qq coisa. A nossa geração é á rasca sim, mas tb não faz por melhorar, e cada vez pior. Eu moro na Charneca da Caparica e o ano passada apanhei um grande susto, pq moro em frente a um enorme pinhal. Conclusão, os bombeiros afirmaram de pés juntos que foi fogo posto (como a maior parte deles). Mais tarde soubemos que era uma disputa de familia. Claro que nós os que moramos aqui que só temos as nossas casinhas mais nada, para essas pessoas, não interessa nada, sim porque nós não podemos entrar na propriedade deles para limpar o que eles deviam limpar, mas se as nossas casas arderem "paciência" (expressão dos donos)...acho que não preciso de dizer mais nada...é o nosso país. Egoista, cheio de aparências e nada humildes...desculpem a franqueza.

carla

feio disse...

Hurts, doesn't it? :-(

Saving the trees! disse...

Descobri este blog por acaso... escreves bem, e este artigo sobre o fogo parece-me verdadeiramente sensato. Mas é o que temos. Esta gente prefere deixar arder do que limpar as matas... Eu sou de uma região onde dantes havia muito pinhal, mas agora tá tudo trocado por eucaliptos, o solo tá muito seco, há muito mato. Se não morasse perto do mar, se nã houvesse humidade no ar, acho que não haveria àrvores por aqui ;(